Ágil em escala

Continuação: dimensionamento ágil em grandes organizações

Buscar tópicos

As equipes de desenvolvimento de software provaram que a implementação de estruturas ágeis, como o Scrum e o Kanban, permite que entreguem soluções aos clientes com mais rapidez e previsibilidade, além de garantir a elas a capacidade de reagir com velocidade baseada nas informações novas. Implementar a agilidade nas equipes individuais é um tanto fácil — os benefícios são claros e os recursos são vastos (como este próprio microsite!).

Porém o desafio verdadeiro é estender essa cultura a todas as diversas equipes de uma grande empresa. Em outras palavras, implementar a agilidade em escala.

Método ágil em artigos sobre dimensionamento

[CONTINUAÇÃO]

Por que as empresas estão escalando a agilidade?

Hoje, as empresas precisam ser capazes de se adaptar, em escala empresarial, para continuarem competitivas. Para fazer isso, é necessário agradar os clientes e responder às necessidades crescentes deles, dar soluções flexíveis/personalizadas, garantir suporte a equipes de equipes que trabalham em uma frente unificada, mudar a mentalidade para colocar a tecnologia como um habilitador estratégico e inspirar formas ágeis de trabalhar fora das equipes de TI e software.

Porém, sem um plano ou estrutura definida, é cada vez mais difícil para as empresas que estão escalando prever a entrega, gerenciar dependências entre as equipes e focar nos objetivos de negócios corretos. Como resultado, isso costuma levar a um declínio na satisfação do cliente e a uma perda de participação no mercado ou de receita, entre outros.

Tudo isso está fazendo com que as empresas invistam bastante na agilidade – seja para capturar os benefícios de escalar a agilidade que as equipes de software podem ter visto ou para permanecerem competitivas no mercado atual. Porém, enquanto todas as grandes empresas parecem concordar com a necessidade de escalar a agilidade, como fazer isso e qual é a aparência disso já configura uma discussão muito diferente.

Então, o que é agilidade em escala?

Escalar a agilidade é uma transformação cultural, na qual as pessoas, práticas e ferramentas de negócios estão comprometidas a melhorar a colaboração e capacidade da empresa de executar de acordo com a estratégia.

Por fim, as mudanças entre essas áreas vão ajudar a descentralizar a tomada de decisão, criar maior transparência e alinhamento ao redor do trabalho e aumentar a velocidade de comercialização, tudo isso enquanto imprime o valor da agilidade no DNA da empresa.

Onde você está na jornada da agilidade em escala?

Para representar em que momento da jornada para a agilidade em escala uma empresa está, a gente observa como as equipes e os indivíduos estão adotando as práticas ágeis.

Empresas no início da jornada podem ter apenas poucas pessoas praticando a agilidade, e o trabalho pode ser dominado pelos procedimentos tradicionais de gestão de projeto com foco no gerenciamento desde o conceito até a entrega.

As que estiverem mais avançadas podem ter práticas de agilidade em escala em vigor (ou podem usar uma estrutura). Isso pode fazer com que as equipes de funções cruzadas se organizem de modo a melhorar a eficiência, manter o foco definido no valor que estão entregando e ajudar a navegar pelas mudanças, dando poder a elas para que tomem decisões proativas que auxiliem no cumprimento dos objetivos de negócios.

Seja qual for a parte do caminho em que você estiver, reconheça e respeite sua posição e comece a partir dela.

Estruturas populares para escalar a agilidade

Não existe uma fórmula para escalar a agilidade. Porém, muitas empresas tiveram grande sucesso evoluindo processos, equipes e culturas usando estruturas para isso.

Aqui está uma visão geral resumida das melhores estruturas de agilidade escalada para explorar:

SAFe

O Scaled Agile Framework® (SAFe®) é um conjunto de padrões de organização e fluxo de trabalho para implementar práticas ágeis em escala empresarial. Ele foi formado por três conjuntos de conhecimento primários: o desenvolvimento de software ágil, o desenvolvimento de produto lean e o pensamento de sistemas. O SAFe promove o alinhamento, a colaboração e a entrega entre diversas equipes ágeis.

LeSS

O Scrum de grande escala (LeSS) é, em resumo, um Scrum comum aplicado ao desenvolvimento em grande escala. O LeSS é baseado na ideia de que escalar estruturas deve ser minimalista (ex. incluir menos regras, funções e artefatos) para impulsionar o sucesso. No entanto, tanto o LeSS quanto o SAFe compartilham alguns padrões em comum: Scrum no nível da equipe, muitas equipes compartilhando um backlog, planejamento colaborativo entre diversas equipes, junto com os princípios gerais do envio de pull e auto-organização com que qualquer equipe ágil pequena deve estar familiarizada.

DA

A Agilidade disciplinada (DA), antes chamada de Entrega de agilidade disciplinada (DAD), é uma estrutura de decisão de processos orientada à aprendizagem para entrega de soluções de TI. Ela garante uma base sólida pela qual escalar a entrega de solução ágil dentro de organizações de nível empresarial. O DA utiliza Scrum e Kanban, junto com o conhecimento de transformação em áreas como RH e finanças, governança, DevOps, gerenciamento de portfólio, entre outros. Com frequência, o DA é considerado mais flexível e fácil de escalar do que os outros métodos.

Spotify

A abordagem do Spotify não pretendia ser uma estrutura em si, mas a visão da empresa sobre a agilidade teve um crescimento orgânico como um todo. O modelo do Spotify para escalar a agilidade é uma estrutura autônoma, orientada a pessoas. Ela salienta a importância da cultura e das redes e dá um exemplo de como lidar com diversas equipes em uma empresa de desenvolvimento de produtos.

Scrum@Scale (S@S)

O Scrum@Scale é uma extensão da estrutura de Scrum. Em geral, o Scrum@Scale é adotado por quem foi bem-sucedido na implementação do Scrum nas equipes e está buscando espalhar a prática por toda a empresa. O principal objetivo é alinhar empresas em crescimento em torno de um conjunto comum e compartilhado de objetivos. A coordenação é gerenciada por um Scrum de Scrums, que é composto por mestres de Scrum de cada equipe e um MetaScrum, composto de proprietários do produto.

Diferença entre as estruturas para escalar a agilidade

As estruturas podem adicionar processos desnecessários quando aplicadas sem planejamento ou intenção. Porém, codificar rituais compartilhados, funções comuns e princípios orientadores para escalar a agilidade na empresa tem benefícios claros, em especial quando ela não conhece modos ágeis de trabalho. Aqui está um recurso útil para guiar o entendimento de como cada estrutura se aplica nessas áreas principais.

 

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Planejamento e estratégia a longo prazo

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Equipes multi ágeis

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Equipe de equipes

SAFe (Scaled Agile Framework)

Agile Release Train (ART)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Área

Spotify

Tribos

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Scrum de Scrums

PM/PO

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Mestre em Scrum/Instrutor ágil

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Engenheiro de versão/Gerente de grupo

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Prática ágil (Scrum, Kanban, etc.)

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Demonstração

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Retrospectiva

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Orientado ao cliente/com foco no valor

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Gerenciamento de dependências

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Transparência na estratégia

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Gerenciamento de portfólio

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Liberação sob demanda

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Gestão de riscos

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

DevOps

SAFe (Scaled Agile Framework)

LeSS (Scrum em grande escala) & LeSS Huge

Spotify

DA
(Ágil disciplinada)

Scrum@Scale

Processos: Definidos e prescritos Definidos com recomendações Não definidos com clareza

Como você pode ver, quando examinadas em detalhe, essas estruturas incorporam padrões organizacionais comuns envolvidos na escalabilidade da agilidade. Quer você adote uma estrutura ou não, a gente acredita que, ao adotar alguns ou todos esses padrões principais, você pode aproveitar muitos dos benefícios de escalar a agilidade na sua empresa.

Sete princípios essenciais para praticar a agilidade em escala

Embora a gente reconheça que não existe uma abordagem única para todos os casos de agilidade em escala, existem alguns princípios essenciais para praticar a agilidade em escala, que devem ser considerados. Estes princípios são cruciais, o que significa que é quase impossível ser bem-sucedido sem eles. 

Não importa se você planeja usar uma estrutura ou qual você vai escolher: pense nos princípios de orientação abaixo para considerar o que pode ser usado ou formalizado na própria empresa.

 

  1. Funções definidas e mudanças estruturais na empresa
  2. Organização e desenvolvimento voltados para o cliente
  3. Práticas e ritmo ágil/do Scrum
  4. Maturidade da adoção (dedicar tempo à mudança)
  5. Melhorias nas dependências
  6. Aceitação de baixo para cima e de cima para baixo (Mudança real)
  7. Pessoas, práticas lean e pensamento de sistemas

 

Para ver mais informações sobre esses princípios e como funcionam na prática, veja o "Além do básico do dimensionamento ágil: as novas regras para a agilidade transformacional" abaixo.

Então, por onde começar?

Não é fácil escalar a agilidade, e isso não acontece de uma hora para a outra! Se a empresa adota por completo uma estrutura de agilidade escalada ou implementa um processo próprio, tenha em mente que "agilidade em escala" não é o objetivo final. O objetivo final é executar a estratégia com efetividade.

Continue testando outras ideias e fazendo melhorias incrementais com essa meta em mente. E não esqueça que as ferramentas que você usa para dar suporte à empresa podem ter um papel importante para escalar a agilidade.

Para entender melhor os tópicos abordados nesta página, dê uma olhada no artigo técnico "Além do básico do dimensionamento ágil: as novas regras para a agilidade transformacional". Cheio de informações úteis e anedotas de especialistas em agilidade, vale muito a pena ler.

Capa do artigo técnico Agilidade em escala
Além dos princípios básicos do dimensionamento ágil

Garanta que as práticas ágeis da empresa sejam feitas para durar

Faça download do artigo técnico para aprender as novas regras da agilidade transformacional.

Para ver mais informações sobre como a Atlassian pode ajudar na jornada ágil, acesse a página de soluções de agilidade em escala ou compare os recursos dos nossos produtos de agilidade em escala.

Josh Berman
Josh Berman

Josh é Gerente de Marketing de Produto na equipe de soluções ágeis em escala da Atlassian. Quando não está escrevendo sobre práticas ágeis recomendadas, ele está fazendo trilha no cinturão verde de Austin, Texas.