Usando avisos (ou "Como trabalhar com especialistas")

Esse é um ótimo modo de compartilhar conjuntos de habilidades específicas em toda a empresa. No entanto, há alguns desafios.

Dan Radigan Dan Radigan
Buscar tópicos

As equipes ágeis mais eficazes são grupos pequenos e rápidos, com cinco a sete pessoas, com conjuntos de habilidades diversificados e sobrepostos. Essa estrutura permite que a equipe desenvolva relacionamentos de confiança mais próximos que impulsionam habilidades diferentes e aceleram a capacidade da equipe de entregar o trabalho. Às vezes a equipe não tem todos os conjuntos de habilidades necessários para um projeto.

É nesse momento que um especialista ágil é chamado.

Generalistas e especialistas

As pessoas com as quais trabalhamos normalmente estão em uma de duas categorias: generalistas e especialistas. Como elas se diferenciam?

  • Generalista – alguém com amplo conhecimento que possa trabalhar em uma variedade de áreas diferentes
  • Especialista – alguém com conhecimento profundo e exclusivo de uma área de foco específica

Muitas metodologias ágeis defendem que todos os membros da equipe sejam generalistas (para saber o motivo, consulte o artigo sobre equipes ágeis). No entanto, muitas vezes faz sentido que uma equipe precise da ajuda de um especialista pelos seguintes motivos:

  • um conjunto específico de habilidades não é necessário na equipe em tempo real
  • a empresa tem um número limitado de pessoas com um conjunto específico de habilidades, que são compartilhadas nas equipes
  • é necessária autorização específica para trabalhar em uma área à qual a equipe geral não tem acesso

Nesses casos, faz sentido ter um especialista na equipe por um período específico. Entretanto, há alguns desafios ao ter um especialista na equipe. 

Reconhecer os desafios com especialistas

Como os especialistas ficam na equipe apenas por um período específico, eles podem se tornar em pouco tempo um "caminho crítico", bloqueando, muitas vezes, o progresso da equipe toda. Por exemplo, se uma equipe depende de um administrador de banco de dados para fazer alterações no banco de dados e implementar o novo código, o progresso da equipe fica bloqueado pelo administrador de banco de dados. Quando a equipe não consegue progredir porque precisa da ajuda do especialista, o fluxo de trabalho é interrompido. Como o especialista é o único na equipe que tem as habilidades, a equipe não tem escolha a não ser esperar que o especialista os desbloqueie.

Os especialistas se envolvem em várias mudanças de contexto, indo de um projeto para o outro. Misturar projetos é muito custoso. Os especialistas quase nunca conhecem o projeto tão bem quanto os membros da equipe principal. Como resultado, eles podem perder informações importantes. Para atenuar isso, a equipe principal deve trabalhar mais para manter o especialista atualizado.

Dicas para trabalhar com especialistas

Vamos analisar três dicas para limitar obstáculos ao trabalhar com um especialista. 

1. Definir claramente o que é necessário do especialista

Assim que perceber que precisa de um especialista, passe um tempo pensando sobre quais são as necessidades. Entenda o tipo de trabalho e o nível de conhecimento que é necessário. Fazer isso vai garantir que a equipe tenha o especialista certo e que ele tenha tempo suficiente com a equipe para ter êxito. Não ser realista com o tempo e com as habilidades necessárias de um especialista pode ocasionar fracasso para a equipe e para o especialista. 

2. Transferir conhecimento do especialista para a equipe principal

As equipes ágeis são formadas por conjuntos de habilidades sobrepostos. À medida que um especialista trabalha com uma equipe, reserve tempo para que ele dê treinamento para a equipe principal, na medida do possível, para que o conhecimento especializado não seja completamente perdido após o término do trabalho. Alguns modos eficientes de fazer isso incluem:

  • Programação em pares – A programação em pares envolve dois ou mais membros da equipe trabalhando juntos em tempo real em uma área específica do projeto. Ambos podem fazer perguntas e se envolver no trabalho.
  • Revisão de código – Na revisão de código, um membro da equipe principal vai revisar o trabalho concluído pelo especialista para entender todas as alterações. As revisões de código focam mais no motivo do que na forma, o que as torna menos eficazes do que a programação em pares para treinamento.
  • Brown bags – Brown bags são sessões informais onde os especialistas compartilham conhecimento para um grupo de pessoas. É uma maneira eficiente de instruir toda a equipe.

O objetivo é garantir que a equipe se torne mais autônoma. A transferência de conhecimento vai disponibilizar à equipe principal mais contexto para o gerenciamento de áreas que eram de propriedade do especialista, reduzindo a dependência em relação a ele no futuro.

3. Minimizar a necessidade contínua de um especialista

Quando o trabalho do especialista na equipe termina, é importante definir contratos de nível de serviço entre a equipe e os especialistas. Determine quando e em quais circunstâncias a equipe pode precisar de um especialista novamente. Criar guias de suporte que delimitem cenários comuns na área do especialista pode ajudar a equipe a ter mais controle sobre o próprio destino ao conseguir solucionar os próprios desafios. 

Dica profissional:

Na Atlassian, temos foco na expansão dos conjuntos de habilidades para generalistas. Para remover o design da categoria "especialista", por exemplo, criamos modos tangíveis para os desenvolvedores e os proprietários de produtos criarem as habilidades de design. Para saber mais, consulte o artigo sobre design ágil