Descubra o modelo do Spotify

O que a empresa de tecnologia musical mais popular tem para ensinar sobre a escalabilidade da agilidade

Mark Cruth Mark Cruth

O Spotify é o maior e mais popular serviço de assinatura de streaming de áudio do mundo, com cerca de 286 milhões de usuários. Uma parte fundamental do sucesso do Spotify é impulsionada pela abordagem exclusiva que a empresa tem de organização do trabalho para melhorar a agilidade da equipe. À medida que as equipes de engenharia do Spotify percorreram o caminho para aumentar a agilidade, elas documentaram a experiência, compartilharam com o mundo e, por fim, influenciaram a forma como muitas empresas de tecnologia se organizam em relação ao trabalho. Agora é conhecido como o modelo Spotify.

O que é o modelo do Spotify?

O modelo do Spotify é uma abordagem autônoma e orientada a pessoas para escalar a agilidade que enfatiza a importância da cultura e da rede. Ele ajudou o Spotify e outras organizações a aumentar a inovação e a produtividade, mantendo o foco em autonomia, comunicação, responsabilidade e qualidade.

O modelo do Spotify não é uma estrutura, como o coach do Spotify Henrik Kniberg observa, já que ele representa a visão do Spotify sobre a escalabilidade a partir de uma perspectiva técnica e cultural. É um exemplo de organização de várias equipes em uma organização de desenvolvimento de produtos e enfatiza a necessidade de cultura e redes.

… o modelo do Spotify se concentra em como uma organização pode ser estruturada para permitir agilidade.

O modelo do Spotify foi apresentado pela primeira vez ao mundo em 2012, quando Henrik Kniberg e Anders Ivarsson publicaram o artigo técnico Scaling Agile @ Spotify, que apresentou a simplicidade radical com que o Spotify abordou a agilidade. Desde então, o modelo do Spotify deu o que falar e se tornou popular no espaço de transformação ágil. Parte do apelo é que o foco está na organização em torno do trabalho em vez de seguir um conjunto específico de práticas. Em estruturas de escalabilidade tradicionais, práticas específicas (p.ex., reuniões em pé diárias) são como a estrutura é executada, enquanto o modelo do Spotify se concentra em como as empresas podem estruturar uma organização para possibilitar agilidade.

O modelo do Spotify defende a autonomia da equipe, de modo que cada equipe (ou esquadrão) seleciona sua estrutura (p.ex., Scrum, Kanban, Scrumban, etc.). Os Esquadrões são organizados em Tribos e Corporações para ajudar a manter as pessoas alinhadas e compartilhar o conhecimento cruzado.

Agora, vamos desmistificar alguns desses termos…

Principais elementos do modelo do Spotify

O modelo do Spotify está centrado em torno da simplicidade. Quando o Spotify começou a se organizar em torno de trabalho, eles identificaram alguns elementos importantes sobre como as pessoas e as equipes devem ser estruturadas.

Esquadrões

Semelhante a uma equipe Scrum, os Esquadrões são equipes autônomas multifuncionais (em geral de 6 a 12 indivíduos) que se concentram em uma área de recurso. Cada Esquadrão tem uma missão única que orienta o trabalho que faz, um Coach Ágil para suporte e um proprietário de produto para orientação. Os Esquadrões determinam qual metodologia/estrutura ágil vai ser usada.

Tribos

Quando vários Esquadrões se coordenam entre si na mesma área de recurso, eles formam uma Tribo. As Tribos ajudam a criar o alinhamento entre os Esquadrões e em geral são formadas por 40 a 150 pessoas para manter o alinhamento (aproveitando algo chamado de Número de Dunbar). Cada Tribo tem um líder que é responsável por ajudar a coordenar os Esquadrões e por incentivar a colaboração.

Capítulo

Embora os Esquadrões sejam autônomos, é importante que os especialistas (p.ex., desenvolvedor Javascript, DBAs) estejam alinhados em relação às práticas recomendadas. Os Capítulos são a família de cada especialista. Eles ajudam a manter o alinhamento dos padrões de engenharia na disciplina. Os Capítulos são em geral liderados por um líder de tecnologia sênior, que também pode ser o gerente dos membros da equipe nesse Capítulo.

Corporação

Os membros da equipe que são apaixonados por um tópico podem formar uma Corporação, que é uma comunidade de interesse. Qualquer um pode se juntar a uma Corporação, é voluntário. Enquanto os Capítulos pertencem a uma Tribo, as Corporações podem intersectar Tribos diferentes. Não há líder formal em uma Corporação. Em vez disso, alguém se oferece para ser o Coordenador da Corporação e ajudar a reunir as pessoas.

Trio

O Trio (também conhecido como Trio TPD) é uma combinação de um Líder de Tribo, líder de produto e líder de design. Cada tribo tem um Trio para garantir que haja alinhamento contínuo entre essas três perspectivas ao trabalhar em áreas de recursos.

Aliança

De acordo com a escalabilidade das empresas, às vezes, várias Tribos precisam trabalhar em conjunto para atingir uma meta. As Alianças são combinações de Trios de Tribos (em geral três ou mais) que trabalham juntos para ajudar suas Tribos a colaborar em um objetivo maior que qualquer Tribo individual.

Imagem do modelo do Spotify

Pronto. Não há muitas práticas que precisem ser seguidas ou cerimônias que precisem acontecer. Os Esquadrões podem ter cerimônias como planejamento de sprint e retrospectivas, mas o foco do modelo do Spotify está em como as equipes se organizam em torno do trabalho. Cabe aos esquadrões descobrir a melhor maneira de fazer o trabalho.

Os benefícios do modelo do Spotify

Quando o Spotify mudou a forma de escalabilidade que usavam para a agilidade, eles queriam permitir que os Esquadrões se movessem e lançassem software rápido gerando o mínimo de problemas e sobrecarga. Eles perceberam esses e mais benefícios à medida que o modelo foi evoluindo. Alguns dos benefícios organizacionais da implementação do modelo do Spotify são:

Menos processos formais e cerimônias

O modelo do Spotify tem como foco a organização em torno do trabalho e não necessariamente em processos e cerimônias. Assim a organização tem maior flexibilidade em relação ao trabalho dos Esquadrões. Em vez de exigir que os Esquadrões mudem o jeito de trabalhar (“vocês devem usar o Scrum”), o foco está em fazer com que se alinhem uns com os outros e orientar para resultados individuais das equipes.

Mais autogerenciamento e autonomia

O modelo do Spotify incentiva a autonomia e a criatividade, confiando nas pessoas para concluir o trabalho que estão fazendo da maneira que acreditam ser a melhor. Você precisa lançar software? O Esquadrão é quem sabe. Você precisa mudar de direção? De novo, o Esquadrão é quem sabe. O modelo do Spotify tem como foco a descentralização da tomada de decisões e a transferência dessa responsabilidade para Esquadrões, Tribos, Capítulos e Corporações.

“O controle leva à conformidade; a autonomia leva ao engajamento”.


- Dan Pink, autor de "Motivação 3.0 - Drive"

O modelo do Spotify pode oferecer maior transparência em todo o trabalho que está sendo feito e fomentar uma abordagem mais baseada em experimentação para a resolução de problemas em um ambiente de alta confiança. Todos esses aspectos podem levar a resultados como produtos melhores, clientes mais felizes e funcionários mais engajados. No entanto, nem todos vão ter essa experiência.

Os desafios do modelo do Spotify

O modelo do Spotify foi baseado na forma de trabalhar de uma empresa. Muitas empresas querem ter os mesmos benefícios do modelo do Spotify, então tentam emular o que o Spotify fez. Algumas tiveram mais sucesso do que outras, mas é provável que nenhuma tenha tido o mesmo sucesso do Spotify. O motivo? Como qualquer forma de trabalhar, a cultura e a estrutura atuais de uma empresa precisam ser levadas em consideração. O modelo é simples, mas o ambiente em que é implementado é complexo.

Executivos inteligentes adaptam sua abordagem para que seja adequada à complexidade das circunstâncias que enfrentam.

- Dave Snowden, consultor de gestão

Infelizmente, muitas empresas tentam copiar o modelo do Spotify. Para algumas pessoas, pode parecer uma estrutura organizacional de matriz simples onde as pessoas se reportam a uma área funcional (Capítulo), mas trabalham com uma equipe multifuncional (Esquadrão). No entanto, não é tão simples assim. Embora possa parecer uma organização matricial, os principais elementos culturais do modelo, como confiança e autonomia, precisam estar em vigor para permitir que a estrutura prospere. Se uma empresa não mudar seus comportamentos (e, por fim, sua cultura), os benefícios do modelo do Spotify nunca vão ser percebidos. Se você só renomear equipes para Esquadrões, vai estar apenas passando batom em um porco.

Práticas recomendadas do modelo do Spotify

Se você quer permitir uma cultura de confiança, autonomia e aprendizagem rápida, procurar inspiração no modelo do Spotify é o caminho certo. Se a sua empresa está considerando o modelo do Spotify como um meio para abordar a agilidade em escala, segue uma lista de práticas recomendadas a ter em mente.

Não copie o modelo

Procure entender a estrutura, as práticas e a mentalidade por trás da abordagem do Spotify. Com esse entendimento, ajuste os aspectos do modelo para que sejam adequados ao seu próprio ambiente. Seu objetivo não é ser o Spotify, mas aproveitar o modelo deles para melhorar a forma como sua organização trabalha em conjunto.

Autonomia e confiança são fundamentais

O Spotify deu o máximo de autonomia possível ao seu pessoal, a fim de contribuir para que possam se articular rápido. Permitir que as equipes escolham suas próprias ferramentas de desenvolvimento e modifiquem o código de outra equipe são apenas alguns exemplos. Dentro de sua empresa, determine se há decisões que podem ser enviadas para as equipes em vez de serem coordenadas por partes da empresa que estão desconectadas do trabalho diário.

Transparência com a comunidade

O sucesso do Spotify se deve ao foco na construção de comunidade e transparência em torno do trabalho. Crie sua primeira Corporação em torno da adoção do modelo do Spotify e incentive a participação de todos na empresa. Gere confiança criando formas transparentes e inclusivas de reunir feedback e alcançar o alinhamento sobre como a empresa quer trabalhar no futuro.

Incentive erros

Você vai cair e tropeçar nesta jornada. Mas não tem problema. A melhoria envolve experimentar e aprender com os sucessos e fracassos enfrentados. O Spotify passou por muitas iterações antes de atingir o modelo conhecido hoje e, desde então, continua a experimentar sempre para procurar novas maneiras de melhorar a forma como trabalham. Incentive o mesmo na sua empresa!

Se você se concentrar nessas práticas, vai ver impactos positivos sobre como sua organização colabora e se alinha, usando ou não o modelo do Spotify como guia.

Conclusão…

O modelo do Spotify é uma ótima fonte de inspiração se você quiser construir uma empresa com foco na movimentação rápida com autonomia e propósito. Mesmo estruturas de escala mais formais, como o Scrum@Scale, foram inspiradas no modelo (e vice-versa). É importante lembrar que o modelo do Spotify não é um destino. É irônico pensar que o Spotify não usa mais a implementação original do modelo do Spotify; eles evoluíram e adaptaram o modelo para que seja adequado às mudanças da empresa. Trios e Alianças são na verdade elementos mais novos no Spotify, pois foram trazidos para resolver problemas novos que a organização enfrentou com o crescimento. Começar com os principais elementos do modelo do Spotify pode fazer você dar a largada, mas a verdadeira agilidade vem com a evolução do modelo de acordo com o seu contexto.

Indo para a próxima etapa

Quer saber mais sobre o modelo do Spotify? Confira o vídeo de duas partes publicado no Spotify Labs sobre a cultura da engenharia no Spotify (Parte I e Parte II). Você também pode aprender sobre a comparação do modelo do Spotify com outra estrutura de escalabilidade acessando a página agilidade em escala no Coach Ágil.

Se você quer implementar o modelo do Spotify na sua empresa, é importante ter mecanismos de feedback e transparência para gerar e sustentar uma cultura de confiança e autonomia. Aproveitando o Jira Align da Atlassian, as empresas podem organizar Esquadrões em Tribos, formar Corporações e Capítulos e deixar as decisões de produtos transparentes para toda a empresa.