A estrutura Scrum em larga escala (LeSS)

Como a LeSS aplica os princípios e ideais do Scrum à empresa

Thomas E. OConnor Thomas E. OConnor
Buscar tópicos

As equipes ágeis são compostas por proprietários de produtos, mestres de Scrum, desenvolvedores de software e outros que trabalham em colaboração para resolver problemas complexos por meio da entrega criativa de produtos valiosos. O Scrum é uma das metodologias ágeis mais populares que as equipes usam para desenvolver, entregar e sustentar produtos complexos. No entanto, faz pouco tempo que a gente conseguiu abordar a escalabilidade do Scrum na empresa com estruturas de processos ágeis em escala, como o Scrum em larga escala (LeSS).

O que é a estrutura LeSS?

A LeSS é uma estrutura para dar escalabilidade do Scrum para várias equipes que trabalham juntas em um único produto. Começa com uma base de equipe Scrum, conforme a definição de Ken Schwaber e Jeff Sutherland no Guia Scrum, e se aplica a várias equipes que trabalham juntas em um produto.

Essa proposta é refinada no livro Large-Scale Scrum: More with LeSS, de Craig Larman e Bas Vodde. Os autores condensaram seus anos de experiência para definir LeSS como uma estrutura para agregar valor reduzindo a complexidade e o desperdício.

A estrutura LeSS procura aplicar os princípios e ideais do Scrum em um contexto empresarial de larga escala do jeito mais simples possível por meio de regras e guias definidos. LeSS, com sua simplicidade, ganhou o rótulo de ser uma estrutura “apenas suficiente”, mas não é para dar uma ideia negativa.

A estrutura LeSS

O LeSS foi criado com base em mais de 600 experimentos que envolveram a expansão da prática do Scrum, que na época era visto como útil para dar suporte apenas para pequenos grupos localizados no mesmo lugar. Os experimentos, guias, estruturas e princípios do LeSS foram criados para apoiar as necessidades de números maiores de equipes. Além disso, as regras do LeSS foram depois publicadas para melhor definir e dar orientações sobre como implementar e executar o LeSS e oferecer guias para a adoção.

Princípios, estruturas, guias e experimentos

Princípios

O LeSS define 10 princípios para aplicar o valor, os elementos e a finalidade geral do Scrum em uma empresa. Eles ajudam a criar equipes mais responsáveis com maior foco no cliente e na colaboração. As equipes se concentram no aprendizado, na transparência e na entrega de valores centrados no cliente de que as organizações de produtos precisam para se manterem competitivas e responsivas. Veja a lista completa:

  • O Scrum em larga escala é Scrum
  • Controle de processo empírico
  • Transparência
  • Mais com menos
  • Foco em todo o produto
  • Centrado no cliente
  • Melhoria contínua mirando na perfeição
  • Pensamento de sistemas
  • Pensamento enxuto
  • Teoria das filas

Estruturas

O LeSS oferece duas configurações: Basic LeSS para duas a oito equipes (10 a 50 pessoas) e LeSS Huge para mais de oito equipes (de 50 a mais de 6000 pessoas).

A LeSS Huge começa com a base Basic LeSS e adiciona uma função fundamental — o proprietário do produto da área (APO) — e artefatos adicionais e mudanças de reunião. O recomendado é começar com o Basic LeSS na empresa para experimentar, testar e receber feedback antes de entrar direto no LeSS Huge. Há duas abordagens sugeridas para a adoção do LeSS Huge:

  1. Uma área de exigência de cada vez, com foco em uma área de exigência dentro do produto maior
  2. Expansão gradual do escopo do trabalho da equipe, da definição de concluído e da definição do produto

Assim, a empresa pode criar uma experiência de equipe com o LeSS, expandir por toda a área do produto e ganhar suporte de gerenciamento antes de escalar o LeSS em toda a empresa.

Guias

Os guias LeSS são recomendações criadas pelos autores Craig Larman e Bas Vodde com base em experimentos realizados com o LeSS. Embora eles fossem como um subproduto não intencional de seu terceiro livro “Large-Scale Scrum: More with LeSS”, eles são muito úteis para entender maneiras de adotar o LeSS, os papéis e as responsabilidades dos envolvidos, como coordenar e integrar equipes e muito mais. Os guias são opcionais na aplicação da estrutura LeSS.

Experimentos

O LeSS inclui experimentos que os autores sugerem que algumas empresas tentem, outros para evitar e alguns que tiveram resultados mistos. Os resultados dos experimentos foram fundamentais na formação da estrutura LeSS.

Os dois primeiros livros de Craig Larman e Bas Vodde — “Scaling Lean & Agile Development” e “Practices for Scaling Lean & Agile Development” estabeleceram o Scrum em larga escala como um conjunto de experimentos com o princípio de que não há “práticas recomendadas”, uma vez que as práticas recomendadas são sempre contextuais de acordo com o ambiente.

O terceiro livro dos autores, "Large-Scale Scrum: More with LeSS", revela orientações para a adoção do LeSS, experimentos dos dois primeiros livros, esclarecimento de papéis no LeSS, como coordenar e integrar várias equipes e muito mais.

Todos os três livros construíram aos poucos a estrutura e são leituras recomendadas para entender melhor os fundamentos do LeSS.

Funções e planejamento no LeSS

Basic LeSS tem como foco a equipe e as principais funções do Scrum: o proprietário do produto Scrum responsável pela visão e direção do produto, as equipes de desenvolvimento Scrum responsáveis pela criação e entrega de produtos e o mestre de Scrum que ajuda a equipe com melhoria contínua e coaching. Uma área na qual o LeSS aprofunda é o papel do gerente e como ele auxilia a equipe na remoção de barreiras para melhoria contínua e autonomia.

Como mencionado antes, o proprietário do produto da área do LeSS Huge auxilia e coordena com o proprietário geral do produto e é fundamental para fazer a conexão das necessidades de negócios com a equipe técnica. O proprietário do produto da área faz o mesmo trabalho que o proprietário do produto, mas com um escopo mais focado e limitado para a equipe para a qual dão suporte. O proprietário do produto da área é especializado em tarefas focadas no cliente e atua como proprietário do produto para equipes de recursos focados no produto.

Uma das principais cerimônias descritas no Scrum e detalhadas no LeSS é a reunião de Refinamento do backlog do produto (PBR). As reuniões de PBR expandem o planejamento de sprint nas áreas de foco por meio de um conjunto de execuções de sprint de LeSS paralelas. A cadência contínua dessas reuniões é necessária dentro de cada sprint para entender, discutir e refinar itens para se preparar para futuros sprints. As principais atividades das reuniões de PBR são: 1) dividir itens grandes, 2) esclarecer e responder as questões pendentes e 3) estimar o tamanho da história, dos riscos, das dependências e dos valores.

Além da importância da cerimônia de planejamento de sprint, a revisão e retrospectiva de sprint são cerimônias essenciais para examinar o que as equipes construíram e entregaram, bem como discutir alterações, melhorias e ideias novas. Também é uma oportunidade para as equipes celebrarem o valor que entregaram ao cliente. A oportunidade de inspecionar e adaptar por meio de retrospectivas acontece dentro de cada equipe, bem como uma retrospectiva que aborda como a equipe coordenou e colaborou.

Qual é a diferença do LeSS?

O LeSS tem cinco componentes principais semelhantes a outras estruturas para escalabilidade ágil: inspiração do Manifesto Ágil e seus 12 princípios, cadência por meio de sprints/iterações, sincronização em toda a organização, raízes no Scrum e práticas de desenvolvimento de qualidade, como DevOps, CI/CD e desenvolvimento orientado por testes (TDD). Mas existem outras características distintivas que o diferenciam do resto.

LeSS vs. Scrum

Uma ocorrência comum envolve colocar LeSS versus Scrum para determinar qual é o melhor. No entanto, esta não é a mentalidade certa. LeSS não é uma versão “melhor” do Scrum; eles não estão competindo. O LeSS usa o Scrum como base para sustentar seu uso em um contexto maior e encontrar meios de escalabilidade em empresas maiores e mais de uma equipe.

O Basic LeSS é muito semelhante a uma equipe Scrum. No LeSS, há só um backlog do produto, proprietário do produto e definição de concluído. E, embora composto por uma ou mais equipes, todas as equipes trabalham juntas como uma equipe Scrum para entregar um produto comum que possa ser lançado no final de cada sprint. Apesar de ter um proprietário do produto que tem um único backlog de produto, no LeSS o trabalho resultante pode ser alcançado por uma ou mais equipes. No LeSS, em particular, a função de proprietário do produto é expandida para incluir proprietários de produtos da área que coordenam e colaboram com muitas equipes. Para apoiar esses esforços, o proprietário do produto impulsiona a reunião de refinamento de backlog do produto de equipe única, o que ajuda a alinhar a entrega do trabalho em todas as equipes que trabalham juntas.

Além disso, no LeSS, o planejamento de sprint é dividido em duas partes: 1) todas as equipes se reúnem para decidir como dividir melhor os itens do backlog do produto e 2) as equipes planejam seu sprint, enquanto colaboram e se comunicam com outras equipes para entregar os itens do backlog do produto.

Além desses pontos, outras cerimônias, como o Scrum diário, a revisão de sprint e a retrospectiva geral, têm suas próprias nuances no LeSS.

LeSS versus SAFe

Embora o LeSS esteja aumentando em popularidade entre empresas com equipes de desenvolvimento de software maiores, outras scaled agile frameworks, como Scrum de Scrums ou Scrum@Scale, também ganharam força. Uma das principais estruturas é o Scaled Agile Framework® (SAFe).

Existem muitas semelhanças entre o LeSS e o SAFe. Por exemplo, ambos começam com a escalabilidade de uma equipe Scrum e incorporam princípios como pensamento enxuto, melhoria contínua e centralização no cliente. No entanto, o LeSS difere na medida em que se concentra em simplificar a estrutura organizacional permanecendo flexível e adaptável.

Ao contrário do LeSS, o SAFe requer funções adicionais, incluindo o Release Train Engineer (RTE), Solution Train Engineer (STE) e Proprietários de epics. Ele também inclui processos, artefatos e mudanças organizacionais que algumas organizações podem não estar prontas para assumir; mesmo apesar de começar em pé de igualdade com equipes ágeis executando com sucesso o Scrum. O LeSS Huge tem algumas diferenças em relação ao Basic LeSS, mas na maior parte não é tão complexo quanto outras estruturas.

Os benefícios da estrutura LeSS

O foco fundamental do LeSS não é construir uma estrutura diferente, mas aplicar os princípios do Scrum a muitas equipes que trabalham juntas para oferecer uma solução ou produto completo e centrado no cliente.

Alguns dos benefícios que podem ser alcançados com o LeSS incluem:

  • Menor custo de implementação com o estabelecimento de práticas que as equipes já usam no Scrum
  • Um proprietário de produto que entende a estrutura e os princípios e, em seguida, aproxima as equipes de negócios das equipes técnicas
  • Menos pessoas necessárias para a entrega dos produtos. O LeSS não produz aumento exponencial de papéis e sobrecarga
  • Ele proporciona visão integral do produto na área de enfoque
  • As equipes ficam em contato direto com o cliente e as partes interessadas da empresa
  • A melhoria contínua é ativada por retrospectivas frequentes e outras reuniões que são processos fundamentais do Manifesto Ágil

Para muitas organizações, a abordagem LeSS para escalar equipes Scrum pode ser o próximo passo lógico em sua jornada para escalar a agilidade.

Indo para a próxima etapa

Estruturas como o LeSS dão um caminho viável para ajudar empresas a escalar com agilidade dentro de suas organizações e atingir os resultados empresariais desejados. Mas as ferramentas que você escolhe para ampliar as práticas existentes e perceber o máximo de benefícios que elas trazem têm a mesma importância. Com o Jira Align da Atlassian, uma plataforma de planejamento empresarial ágil, você pode melhorar a visibilidade, o alinhamento estratégico e a adaptabilidade da empresa, a fim de acelerar a transformação digital. Descubra como o Jira Align é compatível com o LeSS hoje mesmo.