O que é controle de versão

O que é controle de versão

Os sistemas de controle de versão são uma categoria de ferramentas de software que ajudam equipes de software a gerenciar alterações no código-fonte com o passar do tempo. O software de controle de versão mantém registro de todas as modificações no código em um tipo especial de banco de dados. Se um erro for cometido, os desenvolvedores podem voltar no tempo e comparar versões anteriores do código para ajudar a corrigir o erro enquanto diminuem interrupções para todos os membros da equipe.

Para quase todos os projetos de software, o código-fonte é como uma mina de ouro: um bem precioso com valor deve ser protegido. Para a maioria das equipes de software, o código-fonte é um repositório de conhecimento inestimável do domínio com problema que os desenvolvedores coletaram e aprimoraram com muito cuidado. O controle de versão protege o código-fonte contra catástrofes e a possível degradação causada por erro humano e consequências ruins.

Desenvolvedores de software que trabalham em equipes estão sempre escrevendo novo código-fonte e modificando código-fonte existente. O código de um componente de projeto, aplicativo ou software é, no geral, organizado em uma estrutura de pasta ou "árvore de arquivos". Um desenvolvedor na equipe pode estar trabalhando em um novo recurso, enquanto outro desenvolvedor corrige um bug não relacionado, alterando o código; cada desenvolvedor pode fazer as alterações em várias partes da árvore de arquivos.

O controle de versão ajuda as equipes a solucionarem esses tipos de problemas, rastreando cada alteração individual feita por cada contribuinte e ajudando a evitar conflito com trabalhos simultâneos. As alterações feitas em uma parte do software podem ser incompatíveis com aquelas feitas por outro desenvolvedor trabalhando ao mesmo tempo. Esse problema deve ser descoberto e resolvido em ordem, sem bloquear o trabalho do restante da equipe. Além disso, em todo desenvolvimento de software, qualquer alteração pode apresentar bugs novos por conta própria, e o software novo não é confiável até que seja testado. Então, o teste e o desenvolvimento seguem juntos até que uma versão nova esteja pronta.

Um software de controle de versão bom é compatível com o fluxo de trabalho preferido de um desenvolvedor, sem impor um modo particular de trabalho. O ideal é que também funcione em qualquer plataforma em vez de ditar qual sistema operacional ou cadeia de ferramentas os desenvolvedores devem usar. Sistemas de controle de versão ótimos facilitam um fluxo suave e contínuo de alterações no código em vez do mecanismo frustrante e desajeitado de bloqueio de arquivos, que deixa um desenvolvedor trabalhar à custa do impedimento do progresso de outros.

Equipes de software que não usam nenhuma forma de controle de versão, com frequência se deparam com problemas como não saber quais alterações que foram feitas estão disponíveis para usuários ou a criação de alterações incompatíveis entre duas partes de trabalho não relacionadas que, então, devem ser desembaralhadas e retrabalhadas com dificuldade. Se você é um desenvolvedor que nunca usou o controle de versão, pode ter adicionado versões aos arquivos, talvez com sufixos como "final" ou "mais recente" e, então, tido que lidar mais adiante com uma nova versão final. Talvez, você comentou em blocos de código porque quer desativar determinada funcionalidade sem excluir o código, temendo que poderia haver um uso mais adiante. O controle de versão é uma forma de sair desses problemas.

O software de controle de versão é uma parte essencial do dia a dia das práticas profissionais da equipe de software moderna. Os desenvolvedores individuais de software que são acostumados a trabalhar com um sistema de controle de versão capaz nas equipes, no geral, reconhecem o valor incrível que o controle de versão agrega a eles mesmo em projetos solo pequenos. Assim que ficam acostumados com os benefícios avançados dos sistemas de controle de versão, muitos desenvolvedores não considerariam trabalhar sem ele mesmo para projetos que não são de software.

Benefícios dos sistemas de controle de versão

Desenvolver software sem usar um controle de versão é arriscado, assim como não ter backups. O controle de versão também pode permitir que os desenvolvedores se movam mais rápido e permite que as equipes de software preservem a eficiência e a agilidade à medida que a equipe é escalonada para incluir mais desenvolvedores.

Os sistemas de controle de versão (VCS) já viram grandes melhorias durante as últimas décadas, e alguns são melhores que outros. Os VCS às vezes são conhecidos como ferramentas SCM (Gerenciamento de código-fonte) ou RCS (Sistema de controle de revisão). Uma das ferramentas VCS mais populares em uso hoje é chamada de Git. Ela é um VCS Distribuído, uma categoria conhecida como DVCS, que a gente vai ver mais adiante. Assim como muitos dos sistemas VCS mais populares disponíveis hoje, o Git é gratuito e de código aberto. Não importa como são chamados ou qual sistema é usado, os principais benefícios que você poderia esperar do controle de versão são os abordados a seguir.

  1. Um histórico de alterações completo e a longo prazo de todos os arquivos. Isso significa todas as alterações feitas por muitas pessoas ao longo dos anos. As alterações incluem a criação e exclusão de arquivos, assim como as edições em seus conteúdos. Diferentes ferramentas de VCS diferem na maneira de lidar com a renomeação e a movimentação de arquivos, se melhor ou pior. Esse histórico também deve incluir o autor, a data e as notas escritas sobre o objetivo de cada alteração. Ter o histórico completo permite voltar às versões anteriores para ajudar na análise da causa raiz de bugs e é crucial para corrigir problemas nas versões mais antigas do software. Se o software estiver sempre sendo trabalhado, quase tudo poderá ser considerado uma "versão mais antiga" do software.

  2. Ramificação e mescla. O trabalho simultâneo da equipe é certo, mas mesmo os indivíduos que trabalham sozinhos podem se beneficiar da capacidade de trabalhar em fluxos independentes de mudanças. Criar uma "ramificação" nas ferramentas do VCS mantém vários fluxos de trabalho independentes uns dos outros, além de oferecer a facilidade de mesclar esse trabalho de novo, permitindo que os desenvolvedores verifiquem se as alterações em cada ramificação não estão em conflito. Muitas equipes de software adotam a prática de ramificação para cada recurso, ou talvez ramificação para cada versão, ou ambos. As equipes podem escolher entre vários fluxos de trabalho diferentes quando decidem como usar os recursos de ramificação e fusão no VCS.

  3. Rastreabilidade. Ser capaz de rastrear cada alteração feita no software e conectar ao software de gestão de projetos e rastreamento de bugs, como o Jira, e ser capaz de anotar cada alteração com uma mensagem descrevendo o objetivo da mudança ajuda não só com a análise de causa raiz e outras análises forenses. Ter o histórico anotado do código na ponta dos dedos quando você estiver lendo o código, tentando entender o que está fazendo e por que ele foi projetado assim pode permitir que os desenvolvedores façam alterações corretas e harmoniosas que estejam de acordo com o design do sistema pensado para o longo prazo. Em especial, isso pode ser importante para o trabalho efetivo com o código legado e é crucial para permitir que os desenvolvedores calculem o trabalho futuro com precisão.

Embora seja possível desenvolver software sem usar nenhum controle de versão, fazer isso submete o projeto a um alto risco que nenhuma equipe profissional seria aconselhada a aceitar. Então, a pergunta não é se a gente deve usar um controle de versão, mas qual sistema de controle de versão utilizar.

Existem muitas opções, mas a gente vai se concentrar em apenas uma, o Git. Saiba mais sobre outros tipos de software de controle de versão.

Pronto(a) para aprender Git?

Tente este tutorial interativo.

Comece agora mesmo